Inteligência de Mercado: como se destacar com o monitoramento de dados

Inteligência de Mercado: como se destacar com o monitoramento de dados

Posted on 24fev

Durante muitos anos, empreendedores guiavam seus negócios baseados apenas em seus próprios instintos e experiências, tornando quase impossível fazer previsões sobre tendências de mercado e saber sobre as estratégias usadas pela concorrência.

Porém, hoje, os tempos são outros. Novas ferramentas e técnicas surgiram no mundo empresarial com o intuito de ajudar o empreendedor a coletar informações importantes para tomar decisões sobre o próprio negócio. Como é o caso da Inteligência de Mercado (IM).

Considerado um dos principais conceitos da atualidade, a Inteligência de Mercado é uma estratégia que se baseia na coleta e análise de dados de uma empresa com o 

objetivo de adquirir conhecimentos sobre seu segmento de atuação.

É sobre essa técnica que falaremos neste artigo. Para entender como ela funciona e como usá-la a favor da sua empresa, fique conosco até o final.

O que é Inteligência de Mercado

Também conhecido como Business Intelligence, a Inteligência de Mercado é uma técnica que procura orientar os empreendedores quanto às suas estratégias empresariais a partir da coleta e análise de dados. Por meio dela, é possível monitorar dados referentes ao relacionamento com os clientes, atividades da concorrência e tendências de mercado. Enfim, tudo o que está acontecendo dentro e fora da empresa.

Desta forma, a IM funciona como um termômetro para o negócio, pois permite saber como está a sua presença no mercado e a sua força competitiva. Após essa análise, os empresários, sócios e afins conseguem tomar decisões estratégicas para conduzir melhor a empresa em direção aos seus objetivos.

Qual diferença a Inteligência de Mercado faz na empresa?

A adoção da IM proporciona uma série de benefícios para o negócio. O primeiro deles é que a empresa passa a ter uma vantagem sobre as demais. Isso porque a Inteligência de Mercado é uma técnica que ajuda na identificação de problemas. Desta forma, a organização que encontra soluções rápidas para esses problemas consegue atingir mais resultados positivos e, assim, alcançar seus objetivos.

Além disso, a marca que implementa a Inteligência de Mercado tem uma visão mais ampla do setor e utiliza dessa vantagem para ficar à frente dos seus concorrentes. Tudo isso só é possível devido ao monitoramento de informações, que pode ser feito dentro e fora do seu segmento.

Como se destacar com o monitoramento de dados

Para que uma empresa seja vista como um agente ativo na competição em seu segmento de atuação, é fundamental usar o monitoramento de dados e as estratégias da IM a seu favor. Assim, é possível identificar o que pode afetar o seu negócio e sua imagem, bem como saber de tendências e de ações já feitas pela concorrência.

Portanto, saiba como usar a Inteligência de Mercado de forma assertiva para se destacar dos demais.

Monitore as informações sobre o mercado

Estar atento às informações sobre o seu segmento e sobre a economia, de forma  geral, é essencial para a empresa. Assim, é possível conseguir informações valiosas para investir em algo que está se tornando tendência ou parar com algo que não está sendo mais usado, como um produto ou serviço, por exemplo.

Além disso, com a IM, os empreendedores conseguem ver como a concorrência está agindo em determinadas situações, e como fatores externos estão impactando seu nicho. Isso pode servir como um incentivo para buscar soluções e se destacar dos outros negócios.

Esteja atento às ações dos concorrentes

Para que seu negócio garanta uma posição de destaque, considere monitorar as ações dos concorrentes. Embora não pareça, cada novo passo dado por uma empresa concorrente pode ser visto como uma nova oportunidade para a sua marca.

Então, analise bem: o que eles estão fazendo que está chamando a atenção dos clientes? Eles fazem algo semelhante ou diferente da sua empresa? Essas informações vão te ajudar a enxergar novas possibilidades que te auxiliarão a manter o seu negócio em evidência.

Monitore as informações referentes a sua empresa

Monitorar os concorrentes, de fato, é fundamental quando se tem o desejo de estar em destaque no mercado. Porém, mais importante que isso é monitorar a sua própria marca.

Por isso, esteja atento ao que o público está falando sobre a sua empresa nas redes sociais, no site ou blog. Se possível, leia todos os comentários, os positivos e os negativos. Acompanhe as matérias que saíram na imprensa ou no jornal local com informações referentes a sua marca.

Todo cuidado é pouco quando se trata do seu negócio, pois qualquer ato ou informação indevida pode interferir na sua reputação e nos seus resultados.

Como implementar a Inteligência de Mercado na sua empresa

Após saber o que é a IM e as diferenças que ela proporciona para os negócios, você pode estar se perguntando: “Como implementá-la na minha empresa?”. Para colocar a técnica em prática, é preciso seguir algumas dicas.

1 Desenvolva uma cultura de dados

O primeiro passo para implementar a Inteligência de Mercado é disseminar a cultura de dados entre os funcionários da sua empresa. Em outras palavras, incentivar os gestores e colaboradores a tomarem decisões com base em dados e não em achismos.

Esta etapa é fundamental, pois, assim, a equipe terá consciência de que toda decisão estratégica na empresa precisa ser consultada e baseada em informações já coletadas. Somente assim ela terá sido tomada de forma racional e inteligente.

Por isso, estabeleça uma cultura de dados na empresa por meio de palestras, reuniões ou comunicados.

2 Escolha a melhor ferramenta para a coleta de dados

Outro passo muito importante na implementação da IM na sua empresa é escolher quais serão os recursos utilizados para a análise e coleta das informações. Para isso, existe uma série de ferramentas, pagas e gratuitas, que podem te ajudar nessa tarefa.

A escolha de um software, por exemplo, é fundamental. Porém, é preciso que ele atenda todas as demandas do seu negócio. Por esse motivo, analise bem as opções e defina aquele que realmente atenderá as suas necessidades no momento.

3 Organize os dados já existentes

Mesmo que você ainda não conte com a estratégia da IM no momento, é provável que a sua empresa ainda tenha armazenado alguns dados relevantes. Essas informações poderão ser “reaproveitadas” na implementação, mas, para isso, elas precisam estar organizadas.

Por isso, além de revisar cada um desses dados, organize-os em relatórios com periodicidade de atualização já estabelecida. Uma dica importante é conferir em todas as redes sociais e plataformas da empresa, pois, assim, todas as informações relevantes poderão ser utilizadas.

4 Analise os dados

Após reunir todos os dados, é hora de analisar um por um. De nada adianta ter coletado só para deixá-los organizados em uma planilha ou relatório. É necessário realmente examinar e desenvolver uma rotina de acompanhamento das informações.

Porém, mais do que isso, a análise de dados precisa ser completa. O ideal é que ela seja feita antes, durante e depois da implementação da Inteligência de Mercado na empresa.

Ferramentas de Inteligência de Mercado

Como foi dito anteriormente, escolher a ferramenta certa para coleta de dados é essencial quando a IM é implementada na empresa. Obviamente, a escolha dependerá das necessidades de cada negócio, porém existem aquelas que são mais utilizadas e mais recomendadas.

Big Data

Quando se trata de ferramentas para análise de dados, o Big Data é uma que se destaca.

O Big Data é um conceito que descreve o grande volume de dados (estruturados ou não) que são gerados a cada segundo. Desta forma, ele consegue realizar a análise e interpretação de um conjunto de dados mais complexo, pode ser usado para resolução de problemas ou para tomada de decisões de uma empresa.

Business Intelligence

O Business Intelligence (BI) é um software exclusivamente voltado para a tomada de decisões. É responsável por coletar informações de sistemas diversos como ERP, planilhas e CRM para depois guardar em um banco de dados já desenvolvido para a empresa. Além disso, a ferramenta realiza análises da concorrência e identifica tendências de mercado, o que também a torna muito completa.

Google Analytics

O Google Analytics é uma ferramenta já usada por muitos empreendedores por ser intuitiva e extremamente completa para sites.

Porém, ao contrário do que muitos pensam, a ferramenta oferece muito além do volume de acessos nas páginas. Por meio dela, é possível analisar detalhadamente o perfil e o comportamento de cada usuário. O que é ótimo, pois assim a empresa consegue adequar as suas estratégias de vendas de acordo com os dados coletados.

Agora que você já sabe o que é Inteligência de Mercado, comece a implementá-la no seu negócio para obter bons resultados e alcançar seus objetivos com a empresa.


Dicas para criar um plano de negócios

Posted on 22fev

Toda empresa precisa de planejamento para alcançar o sucesso. Empreender sem uma boa preparação é o mesmo que embarcar em uma viagem para um lugar desconhecido, sem instruções, GPS ou mapa.

Um empreendedor que não traça um caminho e não se prepara de forma adequada, dificilmente conseguirá obter bons resultados nos negócios. Para evitar riscos futuros, elaborar um plano de negócios é essencial, pois é ele que guiará o empreendedor em cada passo até chegar ao seu grande objetivo.

A elaboração de um plano de negócios é uma tarefa que exige muita atenção, dedicação e tomada de grandes decisões. Mesmo com todas as suas dificuldades, é uma etapa que não pode ser pulada.

Neste artigo, vamos te mostrar a importância dessa ferramenta de planejamento e como elaborá-la de forma eficiente para aumentar as chances de  sucesso do seu negócio.

Mas, afinal, o que é um plano de negócios?

O plano de negócios nada mais é do que um documento que reúne todos os dados importantes para a criação e gestão de uma empresa. Por meio dele, é possível ter uma visão geral do mercado que se pretende investir, bem como traçar objetivos para tirar a empresa do papel. Pode ser refeito de acordo com projetos que você irá lançar também. 

Além disso, ele oferece ao empreendedor a possibilidade de visualizar o seu negócio sob diversos pontos de vista: estratégico, mercadológico, financeiro e operacional.

Porém, é preciso esclarecer que o plano de negócios não é apenas um conjunto de ideias que possivelmente serão colocadas em prática mais adiante. Mas sim um documento que reúne informações e dados reais que te ajudarão a saber se realmente vale a pena abrir, manter ou ampliar a empresa.

Importância do plano de negócios

Esse instrumento de planejamento serve como um pontapé inicial para qualquer negócio. Pois, com ele, o empreendedor consegue visualizar melhor todos os aspectos referentes ao funcionamento da empresa. Desta forma, é possível ter uma noção prévia de como ela funcionará dentro da lógica de mercado, além de encontrar soluções para eventuais problemas.

Outra vantagem é que ele ajuda a identificar os pontos positivos, negativos e os diferenciais de um projeto. Isso é bom porque diminui as incertezas do negócio e faz com que o empreendedor siga em frente com a ideia.

Como criar um plano de negócios

Como já dissemos, criar um plano de negócios é um processo que requer muita atenção e dedicação. Porém, não é um bicho de sete cabeças.

Aprenda agora mesmo a como elaborar um plano com 5 dicas para tirar sua empresa do papel e transformá-la em um empreendimento de sucesso.

1 Reflita sobre a sua ideia: ela é mesmo viável?

O primeiro passo é colocar suas ideias no papel e analisar se ela é financeiramente viável. Começar um novo negócio é sempre uma aposta e um grande desafio, mas durante a etapa de planejamento é preciso ser realista.

Desta forma, o ideal é fazer um levantamento de todos os gastos que você terá para abrir a empresa. Aluguel, compra de materiais, contratação de funcionários e uma série de outras despesas. Ao fazer isso, você verifica se, de fato, é possível seguir com a ideia de negócio, além de traçar ações necessárias para evitar contratempos no percurso.

Com um bom plano já arquitetado, é mais fácil gerenciar desde o fluxo de caixa até o plano estratégico de marketing.

2 Faça pesquisas e colete informações

Fazer pesquisas durante a elaboração do plano de negócios também é fundamental. Quanto mais pesquisas fizer, melhor. Se for preciso, gaste o dobro do tempo que você pensava que gastaria para desenvolver o seu plano.

Assim, estude suas ideias e faça pesquisas de mercado. Conheça bem a área de atuação da sua empresa, seu público-alvo, seus principais concorrentes, fornecedores e o mercado de forma detalhada, se quiser ter sucesso. Além disso, tenha definido quais produtos ou serviços você vai oferecer. Eles são realmente bons e de qualidade? Possuem um bom custo-benefício?

Tudo isso conta na hora de traçar o mercado do seu segmento e indicar se a empresa está indo no caminho certo para conquistar futuros clientes.

3 Identifique pontos fracos e fortes

Se você quer que a sua empresa tenha sucesso, é importante dedicar uma parte do seu tempo para estudar a sua ideia de negócio e identificar seus pontos fortes e suas fraquezas.

Ser realista nesse momento é essencial, pois planos muito otimistas podem comprometer o andamento do negócio no futuro, especialmente se os pontos fracos ou as ameaças forem ignoradas. Atitudes como essa podem prejudicar o financeiro da empresa logo no início.

Escreva também quais são suas forças e fraquezas em relação à concorrência, evidenciando elementos como preços, qualidade dos produtos ou serviços e localização.

4 Estabeleça suas metas e objetivos

Um bom plano de negócios é aquele que contém as metas e objetivos que a empresa deseja alcançar. Isso servirá como um termômetro para saber se o negócio está indo na direção certa ou não. As metas, portanto, vão informar aos clientes, fornecedores e parceiros onde você deseja levar sua empresa, enquanto os objetivos mostram como chegar lá.

Desta forma, as metas possibilitam uma visão mais ampla do que se deseja realizar, e os objetivos atuam como um meio para o fim. Por isso, estabeleça com cuidado suas metas e objetivos, já pensando em possíveis imprevistos que possam ter no futuro.

5 Elabore um plano de marketing

O plano de marketing é uma das etapas finais e também é considerada uma das mais importantes de um plano de negócios. É exatamente esse o momento em que você vai apresentar seus produtos ou serviços para o seu público-alvo, destacando as principais características que os diferenciam da concorrência.

Nele também deve conter as estratégias de venda que se pretende usar para que os produtos ou serviços cheguem até os clientes. Por isso, tente responder perguntas como: O preço está condizente com a qualidade? Como o produto chegará até o cliente? E o mais importante, como ele saberá que o produto existe?

Embora demande tempo e muita atenção, o plano de negócios é algo que não pode ser dispensado pelo empreendedor. No final, você verá o quanto é importante ter um plano bem elaborado que despertará suas habilidades enquanto dono do seu próprio negócio.

Continue nos acompanhando para mais dicas!


Como migrar seu negócio do off-line para on-line

Posted on 19fev

Há alguns anos, o mercado off-line era o único possível. Hoje, os tempos são outros. Antes mesmo da pandemia, o on-line começou a fazer parte da vida do consumidor e, consequentemente, do mundo empresarial. O on-line ainda tem muitas vantagens, como aumentar a visibilidade da marca, dissolver fronteiras geográficas e muito mais. 

O problema, no entanto, é que muitos ainda têm dúvida sobre como seguir por esse lado. Os desafios são muitos, porque, afinal, essa transformação do físico em  digital requer adaptação e exige alguns conhecimentos. 

Empresas já consolidadas no mercado precisaram de um bom tempo para digitalizar alguns dos seus serviços, muitas ainda estão nesse processo. O que mostra que não é algo feito do dia para a noite.

Porém, com a pandemia, algumas delas precisaram acelerar ainda mais esse processo, como foi o caso da Natura. A empresa desenvolveu um social selling (venda social) para que as consultoras recebam seus pagamentos pela internet e enviem revistas digitais interativas para as clientes. Outra organização que precisou acelerar a digitalização dos seus serviços foi a MRV Engenharia. Agora, a empresa realiza venda de imóveis pela internet, por meio de uma plataforma digital. 

Pensando nessas mudanças, este artigo mostrará os motivos para transformar uma empresa física em on-line e ensinará a fazer isso de forma simples para aumentar as chances  de sucesso do negócio.

Como fazer a migração do off-line para o on-line

Antes de fazer a migração, é preciso que você, como empreendedor, considere novas estratégias para conquistar clientes e consolidar a sua marca no ambiente digital. Alguns pontos principais precisam ser considerados.

Prepare sua equipe para ter uma mentalidade 4.0

Antes de migrar efetivamente para o on-line, é necessário preparar a sua equipe de trabalho para esse novo modelo de negócio. O universo digital mudou o comportamento do consumidor e também deve transformar a forma de trabalhar. Por isso, é fundamental trabalhar a mentalidade 4.0 dos seus funcionários para que consigam lidar com as demandas. 

Assim, eles precisam desenvolver outras habilidades, como pensar de forma ágil e ter mais clareza e objetividade ao passar informações. Isso porque agora o contato com o cliente será 100% intermediado por plataformas digitais, o que exige uma precisão maior no diálogo para não haver ruídos e nem problemas de comunicação. 

E quando houver, os novos consumidores querem transparência, pois na internet há muitos meios para descobrir a verdade. E o pior, contá-la. Assim, se sua equipe maquia um erro, não tem tato para lidar com os problemas, as probabilidades de haver reclamações públicas é grande. Esse é outro ponto. Não é apenas a sua empresa que tem voz, mas todos. Assim, é fundamental ter canais de comunicação com o cliente. 

Digital também requer investimento 

Embora o custo inicial seja mais baixo para abrir uma empresa on-line, ainda assim é preciso investir em ferramentas, profissionais e estratégias para otimizar os serviços. 

Nesse caso em específico, investir em boas plataformas para a exposição dos produtos, para o atendimento ao cliente e até para a divulgação da empresa são pontos importantes para um negócio virtual. Além de, é claro, investir na capacitação técnica da equipe, pois assim os funcionários estarão preparados para lidar com ambientes digitais.

Use o WhatsApp Business

O WhatsApp Business é uma importante ferramenta para quem deseja fazer a migração do off-line para o on-line. Com ele, você pode oferecer atendimento personalizado e flexível para cada cliente. A versão empresarial do aplicativo dá a possibilidade de criar um catálogo de produtos e programar um bot para enviar, automaticamente, mensagens de boas-vindas e de ausência para clientes.

Além de oferecer a função de etiquetas, utilizada para classificar e segmentar os seus contatos, o que ajuda na organização da agenda.

Esteja nas redes sociais

A internet é a vitrine do seu negócio. É por meio dela que os clientes terão acesso aos seus produtos e serviços por 24 horas. Por isso, é fundamental que você esteja presente nas redes mais acessadas.

Atualmente, grande parte dos consumidores se encontra nas redes sociais. Este é um bom espaço para a sua empresa, pois pode ajudá-lo a alcançar o seu público.

Além disso, as redes sociais permitem uma maior interação do cliente com o empreendedor, criando uma relação ainda melhor entre eles.

Crie um blog ou site para o seu negócio

Ter o seu próprio espaço na internet é fundamental. O site ou blog, assim como as redes sociais, funcionam como o cartão de visitas e a vitrine da marca. Mas nesses ambientes você tem mais espaço. No marketing, costuma-se comparar as redes sociais com casas alugadas e os sites e blogs como imóveis próprios. É possível mostrar os produtos, serviços, trabalhar temas do universo da marca e, assim, garantir mais credibilidade.

Nesse sentido, ter um layout atrativo, intuitivo e bem elaborado, é essencial. Além disso, aplicar táticas de SEO — Search Engine Optimization (otimização para mecanismos de busca) — faz toda a diferença, pois facilita que o site ou blog seja encontrado com mais facilidade nas páginas do Google.

Integre o on com o off

Não é porque a empresa passou do ambiente físico para o virtual que ela precisa deixar de lado todas as ações realizadas anteriormente, em outro espaço. Muito pelo contrário. O ideal é integrar os serviços para que eles sejam oferecidos tanto no on-line, quanto no off-line. 

Segundo a Euromonitor, o Fidigital, físico com digital, é uma tendência forte para 2021. Você pode ter uma hamburgueria, por exemplo, e atendimento on-line ao mesmo tempo. Um grande e-commerce pode ter lojas conceito para trabalhar a experiência do cliente. 

A empresa pode ainda oferecer suporte físico ao cliente como um pós-venda, dependendo do tipo de produto ou serviço. Isso faz com que ela tenha mais credibilidade e seja bem-vista pelos clientes. 

Invista em um certificado digital

Ferramentas para facilitar as transações eletrônicas e os processos burocráticos também são fundamentais para o empreendedor. Para isso, existem os certificados digitais.

O certificado digital permite que clientes e fornecedores assinem os documentos digitalmente de qualquer lugar do país com mais segurança e agilidade. O que reduz custos com burocracia, impressões, cartórios e tempo gasto para resolver essas pendências.

Além dessas vantagens, o instrumento ainda garante a segurança de todos os documentos e informações contidas neles, uma vez que possui a criptografia como recurso tecnológico. Assim, somente o emissor e o receptor podem ter acesso aos dados confidenciais.

Por que migrar do ambiente físico para o digital?

São vários os motivos para um negócio migrar do off-line para o on-line, como a transformação digital. Esse processo tem levado várias empresas para o ambiente virtual há algum tempo.

Porém, uma grande razão para essa transição são as mudanças que a pandemia de covid-19 trouxe nos hábitos de consumo e de comportamento da população. Desde o início do surto epidemiológico, em março de 2020, as compras on-line tiveram um aumento expressivo no país.

De acordo com o relatório Setores do E-commerce no Brasil, realizado pela Conversion, 86% dos brasileiros conectados à internet realizaram compras durante a pandemia. O que resultou em um crescimento ainda maior de lojas on-line, chegando ao equivalente de uma nova loja aberta por minuto, entre os meses de março e maio de 2020.

Devido a esse crescimento no setor, a previsão é que o interesse dos consumidores em compras on-line permaneça mesmo após a crise sanitária, conforme mostra a pesquisa Impactos da Pandemia no Comportamento do Consumo Brasileiro.

Vantagens de migrar para o off-line

Ser dono do próprio negócio já é algo que, por si só, oferece uma série de benefícios. Porém, para quem decide migrar para o universo on-line, as vantagens são ainda maiores.

Maior alcance do público

Como sabemos, a internet encurta distâncias e consegue atingir milhares de pessoas. Por meio dela, é possível anunciar produtos e atender clientes de diversas partes do país e do mundo sem se limitar apenas a uma única região.

Desta forma, a empresa ganha mais visibilidade e consegue se expandir de forma mais rápida.

Custo inicial de investimento reduzido

Investir em um negócio on-line não requer um investimento tão alto quanto de um negócio tradicional, off-line,  como muitos imaginam. Isso porque em alguns casos são necessários apenas uma boa internet, o domínio do site ou blog e um serviço de hospedagem.

Claro que isso depende do tipo de negócio que se pretende abrir, mas, geralmente, não é preciso alugar um espaço físico para atender os clientes. O que já reduz o valor gasto para a abertura da empresa.

Mais flexibilidade para trabalhar

Uma das principais vantagens de investir em um negócio virtual é a flexibilidade e a comodidade que se tem no dia a dia. O que pode ser uma ótima alternativa para quem deseja realizar outras atividades que seriam difíceis com uma jornada fixa, como estudar, cuidar da saúde ou mesmo passar um tempo com a família.

É possível criar uma rotina mais adaptável. Porém, é importante lembrar que ter o próprio negócio on-line não é garantia de menos trabalho, muito pelo contrário. É preciso a mesma ou até mais determinação para que a empresa dê certo.

Ficou interessado em transformar o seu negócio em digital? Conte com a gente para tornar esse processo ainda mais fácil e seguro!


Vazamento de dados: o que é, quais as consequências e como prevenir

Posted on 18fev

Embora o desenvolvimento de novas tecnologias para a segurança nas redes seja constante, o vazamento de dados na internet ainda é um problema que ocorre frequentemente.

Usuários de todo o mundo fornecem seus dados a todo momento para os mais variados sites e entidades. Seja para cadastros, compras on-line, interação em redes sociais e até transações bancárias.

Inúmeros casos de violação de dados foram registrados nos últimos anos. Porém, recentemente, um vazamento de dados pessoais expôs informações de mais de 220 milhões de brasileiros. 

Com base nisso, neste artigo, vamos mostrar o que fazer diante de uma situação como essa e como se prevenir de um vazamento de dados.

O que é e como pode te prejudicar

O vazamento de dados é configurado como um incidente de segurança que torna públicas informações confidenciais que podem ser analisadas, roubadas, copiadas e usadas por terceiros sem acesso permitido.

As principais causas de vazamento de informações ocorrem não apenas por ataques cibernéticos, como muitos imaginam, mas por falhas de segurança que poderiam ser facilmente corrigidas.

A invasão e a quebra de sigilo de informações confidenciais podem prejudicar pessoas físicas e jurídicas. Em empresas, por exemplo,

o vazamento de dados pode comprometer o andamento de vários processos e transações financeiras, além de contribuir para a criação de uma imagem negativa da instituição.

Já para pessoas físicas, a divulgação de informações pessoais pode ocasionar tentativas de golpe contra o indivíduo. Pessoas mal intencionadas “roubam a sua identidade” para efetuar transações financeiras e, em situações extremas, cometer crimes.

Case do vazamento de dados de 220 milhões de brasileiros

No dia 19 de janeiro, cerca de 223 milhões de brasileiros (incluindo falecidos) tiveram seus dados pessoais vazados em um fórum na internet, de acordo com o Laboratório de Segurança Digital da PSafe (dfndr lab).

Na ocasião, foram divulgados nome, CPF, data de nascimento, endereço, dados de veículos, fotos de rosto, escolaridade, dados financeiros e outras informações de milhões de pessoas.

Ainda não se sabe de onde esses dados foram roubados e é possível que as informações tenham saído de diversas fontes, incluindo outros vazamentos anteriores.

Uma plataforma foi criada para mostrar quem teve os dados pessoais expostos, a “Fui Vazado!”. Por meio do CPF e pela data de nascimento, o usuário conseguia saber se suas informações foram divulgadas ou não. Porém, no início de fevereiro, o STF (Supremo Tribunal Federal) bloqueou o site de consultas.

O que fazer se o dado vazar

Segundo o Instituto Ponemon, o Brasil é o país mais propenso a sofrer violações de segurança em todo o mundo.

Em razão disso, é ainda mais importante redobrar a atenção, pois, uma vez que os dados se tornam públicos, é quase impossível tirá-los da internet.

Se acontecer de os dados vazarem, especialistas em segurança recomendam trocar as combinações de senhas para outras mais seguras, usando o método de verificação em duas etapas. Além disso, também é fundamental acompanhar as movimentações financeiras, ficar atento às mensagens, e-mails que chegam e fazer um boletim de ocorrência. Toda ação é válida para evitar tentativas de golpes.

Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD)

Todos estamos sujeitos ao vazamento de informações. Porém, atualmente, foi sancionada uma lei que visa proteger os internautas da violação e dar autonomia às pessoas sobre seus dados pessoais, chamada Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Sancionada em agosto de 2018, a Lei 13.709/2018, exige que empresas de grande e pequeno porte sigam uma série de regras para tornar o compartilhamento de dados dos clientes mais seguros. Assim, informações como nome, documentos pessoais, endereço, e-mail e telefone são protegidos pela LGPD.

O descumprimento da lei, no entanto, pode ocasionar prejuízo para a empresa ou institutição, uma vez que a legislação prevê punições como advertência e multa de 2% do faturamento anual da empresa.

As sanções administrativas da LGPD passam a valer em agosto de 2021.

Como prevenir o vazamento de dados

Diante do maior caso de vazamento da história e mesmo com a criação de leis, ainda não é possível estar 100% protegido em todas as situações. Por isso, é preciso tomar pequenos cuidados e adotar algumas mudanças de comportamento para manter as informações mais seguras possíveis.

Ative a autenticação de dois fatores

Habilitar a autenticação de dois fatores, ou duas etapas, é uma ótima maneira para prevenir a entrada de invasores em contas na internet. Basicamente, ela adiciona uma camada extra de segurança ao fazer o login em algum serviço on-line.

Ao ativar essa opção, o usuário poderá adicionar uma nova etapa de confirmação à tentativa de login, como um SMS, por exemplo. Assim, se alguém tentar invadir alguma conta, ele precisará de um código que será enviado para o celular do usuário. Somente o e-mail e a senha não são suficientes para invadir.

Embora não seja uma medida de segurança infalível, é um bom método de prevenção contra vazamento de dados.

Entre e forneça seus dados somente em sites confiáveis

Para evitar o vazamento de dados em sites, principalmente nos e-commerces, é importante acessar e fornecer informações somente àqueles que são de fato confiáveis. Saber identificar se um site é seguro ou não é muito mais fácil do que parece.

Um site para ser seguro precisa ter as siglas HTTPS em seu endereço, selo de segurança e um ícone em formato de cadeado, o que significa que a conexão é criptografada (via certificado digital SSL) e livre de espionagem.

Além disso, o usuário também pode conferir o domínio da página, pesquisar a reputação do site e consultar a sua Política de Privacidade.

Invista em um certificado digital

Outra forma de evitar vazamento de dados é por meio da certificação digital. Isso porque todo certificado digital possui um sistema criptográfico responsável por impedir que as informações e transações eletrônicas sejam fraudadas.

A criptografia, então, permite que somente o emissor e o receptor tenham acesso às informações contidas no certificado, garantindo a confiabilidade dos dados do usuário.

Além da segurança fornecida pela própria ferramenta, o usuário ainda tem a opção de cadastrar senhas fortes na hora da emissão, o que contribui ainda mais para a sua segurança. Ele pode ser usado em inúmeros procedimentos, como serviços bancários, cumprimento de obrigatoriedade no Fisco, Receita Federal e outros. Muitas vezes, há outras formas de acessar esses serviços, porém, a mais segura é com o certificado. 

Importante ressaltar que o certificado digital pode ser usado tanto para pessoas físicas quanto para jurídicas. Assim, fica ainda mais fácil assegurar que as informações trocadas no ambiente virtual ficarão seguras e protegidas de qualquer tentativa de violação e fraude.

Entre em contato com uma de nossas unidades e saiba como emitir o seu!


O que é e o que faz um AGR

Posted on 11fev

Novas tecnologias fazem surgir outras profissões. Com a popularização do Certificado Digital, não foi diferente. Uma das funções criadas por causa do dispositivo foi o Agente de Registro, o AGR. A tendência é que mais vagas para esse tipo de profissional sejam abertas, já que o mercado de certificação está em alta. 

Na pandemia, enquanto outras áreas foram impactadas negativamente, as Autoridades de Registro (ARs) viram o setor dar um salto. Afinal, muitos dos serviços liberados pelos órgãos competentes exigem certificado digital para garantir segurança ao processo. 

As empresas de certificação digital foram consideradas essenciais no Decreto nº 10.282 de 20 de março de 2020, do Governo Federal. O crescimento do setor que já impressionava, com média de 30% ao ano, foi de 52,9% de 2019 para 2020, segundo o ITI (Instituto Nacional de Tecnologia da Informação). A ICP-Brasil divulgou que foram emitidos 6.049.579 certificados digitais no ano passado, o maior número de emissões desde o surgimento desta tecnologia.

Neste artigo, vamos detalhar essa nova profissão e como as pessoas podem ocupar uma vaga de AGR. 

O que é um agente de registro? 


O AGR é o profissional responsável por coletar a biometria do cliente, validar e verificar todas as informações e documentos necessários para o processo de obtenção da certificação digital. Tudo isso é feito de acordo com as regras do ICP-Brasil. 

Ele é a primeira pessoa com quem o cliente vai ter contato na AR. Ou seja, o atendimento do agente de registro tem um grande impacto na imagem da empresa. Por ser responsável pela verificação dos documentos, o sucesso da emissão do certificado digital tem grande participação desse profissional. 

Como se tornar um AGR

Boa comunicação, proatividade, conhecimentos avançados em informática e, principalmente, idoneidade são as características desejadas em um agente de registro, como explica o gerente de suporte e Central de Verificação da AC Certificaminas, Luís Souza. Isso porque ele vai lidar com o público e com algo extremamente tecnológico. 

A iniciativa do agente é importante para que o processo de emissão possa ocorrer com agilidade e tranquilidade. Se o cliente disse que vai providenciar os documentos deixou de se comunicar com o AGR, o profissional deve pedi-los, proativamente. 

Segundo Luís, além dessas características, as Autoridades de Registro também têm as próprias exigências quando vão fazer a contratação para essa função.

O AGR deve estar credenciado por uma AR e ter vínculo empregatício com a empresa registrado na carteira de trabalho. A empresa vai encaminhá-lo a um curso referente à função. Nesse treinamento, a maior parte do conteúdo diz respeito às normativas do ICP-Brasil.

Pelos pré-requisitos, é possível notar a responsabilidade do AGR. Por isso, ao contratar um agente de registro, a empresa precisa ser criteriosa. 

Para ter um bom desempenho nesse mercado, o agente de registro precisa acompanhar as novidades em certificação digital. 

Importância do AGR

Para quem precisa contratar esse profissional, leve o processo seletivo a sério. A veracidade das informações do titular do certificado depende da conduta ética do agente de registro. Ele também lidará com dados muito importantes e pode contribuir positiva ou negativamente para o sucesso da sua empresa. 

Se você deseja ser um AGR, comece a se informar sobre certificação digital e a enviar currículo para as Autoridades de Registro ou Autoridades Certificadoras. Boa sorte! 


Chip criptográfico ajudará a dar mais segurança para Internet das Coisas (IoT)

Posted on 02fev



O Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) homologou o primeiro microcontrolador criptográfico para uso geral, no modelo da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira (ICP-Brasil).

O chip criptográfico permite a utilização do certificado digital diretamente em aparelhos do tipo IoT (Internet of Things), e com isso agrega segurança para objetos ou “coisas” conectados à Internet.

Esse dispositivo tem aplicabilidade imediata para Objetos Metrológicos (OM), utilizados na geração de registros de medição legal, os quais são regulados pelo INMETRO, bem como em outros tipos de equipamentos que venham requerer maior resiliência contra fraudes.

O dispositivo microcontrolador é um chip que armazena o certificado digital localmente, com segurança para uso de acordo com as exigências internacionais e os normativos da ICP-Brasil para módulos criptográficos. A solução permite levar a tecnologia de criptografia para quaisquer equipamentos independentemente do produto ou aplicação, com o objetivo entre outros de coibir fraudes ou acesso indevido.

A homologação da solução foi publicada no Ato Declaratório Executivo nº 1/2021 no Diário Oficial da União de 26 de janeiro.
Fonte: ITI




Back to Top