Black Friday se aproxima e requer atenção redobrada com segurança digital

Black Friday se aproxima e requer atenção redobrada com segurança digital

Posted on 30out

Golpes pelo WhatsApp e envio de links maliciosos estão entre modalidades usadas por criminosos

Tentativas de golpes ou fraudes acontecem durante todo o ano. No entanto, em determinadas épocas, essas ocorrências aumentam. São períodos em que bandidos percebem um crescimento das oportunidades. Um exemplo é a Black Friday, que ocorre em novembro. A dica é redobrar os cuidados com a segurança digital.

Estima-se que 70% dos golpes estão vinculados à captura de dados pessoais, como senhas, por meio da chamada engenharia social. A preocupação com essa situação levou a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) e 20 bancos associados a promoverem, entre os dias 20 e 26 de outubro, a Semana da Segurança Digital. O objetivo foi contribuir para a conscientização do uso seguro da internet e dos canais digitais.

Conforme divulgado pela Febraban, pesquisa da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico) revela que o e-commerce espera faturar R$ 3,45 bilhões na Black Friday deste ano, que ocorre no dia 29 de novembro.

Ainda de acordo com a federação, quadrilhas aproveitam o momento de euforia com o grande volume de ofertas para aplicar golpes. A principal tática usada é a da engenharia social, que consiste na manipulação do usuário para que ele forneça informações confidenciais.

Por meio dessa prática, o cliente é induzido a informar os seus códigos e senhas para os estelionatários, o que gera as fraudes e golpes. A Febraban informou que a intenção da ação de conscientização é ajudar a criar uma forte cultura de proteção de dados no Brasil.

Golpes pelo WhatsApp

Golpes usando engenharia social são aplicados via WhatsApp, Instagram e Facebook. No caso do WhatsApp, por exemplo, a Febraban explica que os criminosos clonam a conta e enviam mensagens para os contatos da pessoa, passando-se por ela e pedindo dinheiro emprestado.

Conforme orienta a federação, uma medida simples para evitar que o WhatsApp seja clonado é habilitar, no aplicativo, a opção “Verificação em duas etapas” (Configurações/Ajustes > Conta > Verificação em duas etapas). Assim, é possível cadastrar uma senha que será solicitada periodicamente pelo app.

A Febraban destaca ainda outro esquema muito usado pelas quadrilhas, envolvendo aplicativos e links maliciosos. “O golpe começa com o envio de um e-mail suspeito com um link. Ao clicar, é instalado um vírus e os bandidos ganham acesso ao dispositivo do usuário. Com essa técnica, comumente chamada de phishing, eles conseguem solicitar dados, como nomes de usuário e números de cartão, para realizar transações”, salienta.

Gostou deste conteúdo? Continue acompanhando nosso site e fique por dentro de assuntos relacionados a tecnologia, empreendedorismo e muito mais!


Saiba como conseguir a sua CNH digital

Posted on 22out

Documento em formato eletrônico armazena todas as informações do impresso, o que garante sua autenticidade

Retirar a CNH em formato digital é fácil e gratuito. A versão digital da Carteira Nacional de Habilitação (CNH-e) armazena todas as informações da CNH impressa. Dessa forma, fica garantida a autenticidade do documento.

Um ponto importante é que, para gerar a CNH-e, o condutor precisa ter a última versão da CNH impressa. Emitido a partir de maio de 2017, esse modelo conta com um QR Code.

O condutor que possuir uma CNH sem QR Code pode solicitar a segunda via de sua CNH física ou a renovação da CNH, se o documento estiver próximo ao vencimento. No caso de solicitação de alteração de dados no documento de habilitação, a CNH alterada também será emitida com QR Code.

Como funciona a CNH digital

A CNH-e funciona por meio de um aplicativo de celular gratuito. O documento é acessível off-line. Ou seja, não é necessária conexão wi-fi ou dados móveis habilitados para acessar a carteira.

Conforme explica o Denatran, a versão impressa continua sendo emitida normalmente, mas o condutor poderá dirigir apenas com a CNH-e, que é válida em todo território nacional.

No entanto, o condutor deve ficar atento ao funcionamento do smartphone. Em caso de fiscalização, se o aparelho estiver descarregado, será considerado que a CNH não está sendo portada.

Nessa situação, o condutor será autuado com base no artigo 232 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB): “Conduzir veículo sem os documentos de porte obrigatório”. Trata-se de infração leve (3 pontos), com multa de R$ 88,38 e retenção do veículo até a apresentação do documento.

E se o celular for roubado?

A CNH Digital fica vinculada a somente um dispositivo. Não é possível o acesso por meio de um celular que não esteja vinculado ao cadastro do condutor no Denatran.

Em caso de perda ou furto/roubo do celular, a recomendação é que o condutor bloqueie a CNH-e no Portal de Serviços do Denatran.

Depois, é possível habilitar o novo celular para o qual a CNH Digital será transferida.

A CNH Digital é segura?

O Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) destaca que, além dos mecanismos de segurança visíveis da versão impressa, como o QR Code e o código de segurança, a CNH Digital emprega:

– Assinatura digital com certificado do Detran emissor no padrão ICP Brasil. Por seguir o padrão brasileiro, esta assinatura possui validade legal.

– Utilização de senha forte para atualização de alguns dados cadastrais no Portal de Serviços do Denatran.

– Utilização de senha simples para a visualização e exportação das informações.

Confira a seguir o passo a passo de como obter a CNH digital:

Passo 1: faça o cadastro no site do Denatran

O condutor deverá primeiramente se cadastrar no site do Denatran. Para realizar o cadastro, clique aqui.

Passo 2: baixe o aplicativo “Carteira Digital de Trânsito” no celular

O interessado deverá baixar o aplicativo pela Google Play Store ou pela App Store.

Passo 3: Acessar a CNH-e

No primeiro acesso, após o condutor digitar o CPF e a senha cadastrada no site do Denatran, será necessário cadastrar o código PIN (quatro números escolhidos pelo condutor). Depois desse registro, a CNH-e poderá ser visualizada no aplicativo. Para garantir a segurança das informações, o código PIN será exigido todas as vezes em que o acesso ao documento for requisitado.

Lembrando que o certificado digital, embora não seja obrigatório para retirar a CNH digital, agiliza bastante o processo explicado anteriormente. Ainda tem dúvidas sobre a CNH-e? O Denatran preparou uma série de perguntas e respostas sobre o tema. Basta clicar aqui!


Simplificação avança: eSocial substitui informações para Rais e Caged

Posted on 18out

Empresário e contador devem ficar atentos às empresas sujeitas às novas regras

Uma portaria da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho tratou da substituição das obrigações relativas ao envio de informações da Relação Anual de Informações Sociais (Rais) e do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) pelas empresas já obrigadas ao eSocial.

Segundo o Governo Federal, a substituição significa uma redução expressiva nas obrigações das empresas. Além disso, evita erros ou inconsistências nas bases de dados governamentais, uma vez que a prestação da informação passa a ser feita por uma única via.

Vale a partir de quando?

Conforme divulgado pelo governo, a substituição do Caged ocorrerá para as admissões e para os desligamentos ocorridos a partir de 1º de janeiro de 2020. Já a substituição da Rais será a partir do ano-base 2019 (declaração feita em 2020).

Empresas enquadradas

Uma ressalva importante é que a substituição ainda não vale para todas as empresas. Em relação ao Caged, a substituição ocorre para a grande maioria dos empregadores (grupos 1, 2 e 3 de obrigados). A exceção fica para órgãos públicos e entidades internacionais (grupo 4 de obrigados), já que ainda não estão enquadrados no eSocial, de acordo com o calendário oficial.

Por sua vez, a Rais será substituída para as empresas que já tenham a obrigação de enviar os dados de remuneração dos seus trabalhadores relativos ao ano base completo de 2019 (grupos 1 e 2 de obrigados).

“Vale lembrar que os empregadores obrigados ao eSocial que não prestaram as informações referentes às admissões e cadastramentos dos empregados, bem como aos eventos periódicos (de acordo com o calendário de obrigatoriedade), devem fazê-lo para todos os seus trabalhadores, uma vez que o cumprimento das obrigações substituídas se dará apenas por meio do envio das informações ao eSocial. A utilização dos sistemas do Caged e da Rais ficará restrita à prestação de informações cuja obrigação ainda não tenha de ser cumprida por meio do eSocial”, explica nota do Governo Federal.

Além do Caged e da Rais, as anotações na Carteira de Trabalho já haviam sido substituídas pelo eSocial. Em breve, segundo o governo, será a vez do Livro de Registro de Empregados (LRE).

Certificado digital é necessário

Para acessar o sistema de transmissão eletrônica do eSocial, é necessário possuir um certificado digital A1 ou A3 emitido por uma autoridade certificadora credenciada pela ICP-Brasil. O certificado digital é exigido para garantir segurança na transmissão das informações, assim como assegurar a garantia de autoria, a autenticidade, a integridade e a validade jurídica dos documentos eletrônicos transmitidos.

Gostou deste conteúdo? Continue acompanhando nosso site e fique por dentro de novidades sobre contabilidade, tecnologia, empreendedorismo e muito mais!


Carteira de Trabalho Digital entra em vigor

Posted on 02out

Na hora da contratação, novo empregado precisará informar somente CPF ao empregador

A digitalização segue avançando no Brasil. Uma das novidades mais recentes é a Carteira de Trabalho Digital. O documento é totalmente em meio eletrônico e equivalente à antiga Carteira de Trabalho e Previdência Social física. As informações são da Agência Brasil.

A carteira digital está em vigor desde o dia 24 de setembro. O Ministério da Economia ressalta que a mudança vai assegurar facilidades para trabalhadores e empregados, com redução da burocracia e custos.

Um exemplo de praticidade é na hora da contratação. O novo empregado não precisará mais apresentar a carteira em papel. Será necessário só informar o número do CPF ao empregador e o registro será realizado diretamente de forma digital.

Liberdade econômica

A carteira digital está prevista na Lei da Liberdade Econômica, sancionada no 20 de setembro. É disciplinada pela Portaria nº 1.065, da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia.

Mais facilidade no eSocial

Com a carteira digital, as empresas que já usam o eSocial poderão contratar funcionários sem a necessidade de exigir o documento físico. As antigas anotações que ficavam na CTPS de “caderninho azul” passarão a ser realizadas eletronicamente.

“Para acompanhar essas anotações, o trabalhador poderá utilizar um aplicativo especialmente desenvolvido para celulares (com versões IOS e Android) ou acessar o ambiente. A Carteira Digital tem como identificação única o número do CPF do trabalhador, que passa a ser o número válido para fins de registro trabalhista”, informa a Agência Brasil.

Como obter a carteira digital

O aplicativo para a carteira digital estava disponível desde 2017. No entanto, não tinha as mesmas funções da versão física. Agora, já é válido como documento para registros novos e já existentes, para acompanhar os contratos de trabalho.

Previamente emitida para todos os trabalhadores, a Carteira de Trabalho Digital pode ser instalada em smartphones com sistema operacional Android e iOS e funciona como uma extensão do documento físico.

Para acessá-la, é necessário obter a senha de acesso neste link. No ambiente do Acesso.gov.br, deverão ser informados os dados pessoais: CPF; nome completo; telefone celular para receber SMS; e e-mail. As informações serão validadas nas bases de dados do governo.

Gostou deste conteúdo? Continue acompanhando nosso site e fique por dentro de novidades sobre tecnologia, contabilidade, empreendedorismo e muito mais!


Back to Top